quinta-feira, 22 de julho de 2010

As Duas Jóias



Essa história foi me passada pela amiga Lila Peres e narra a antiga lenda árabe de um rabino, religioso dedicado, que vivia muito feliz com sua família, esposa admirável e dois filhos queridos, baseando nela escrevi alguns pensamentos que foram enviados até mim.

Certa vez, por imperativos da religião, o rabino, empreendeu longa viagem ausentando-se do lar por vários dias. No período em que estava fora, um grave acidente provocou a morte de seus dois filhos. A mãe sentiu o coração dilacerado de dor. No entanto, por ser uma mulher forte, sustentada pela fé e pela confiança em Deus, suportou o choque com bravura, mas uma preocupação lhe vinha à mente: como dar ao esposo a triste notícia? Sabendo que o marido tinha o coração fraco, temia que não suportasse tamanha comoção. Lembrou-se então de fazer uma prece. E rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão.

Alguns dias depois, num final de tarde, o rabino retornou ao lar. Abraçou longamente a esposa e perguntou pelos filhos. Ela pediu para que não se preocupasse. Que tomasse o seu banho e logo depois ela lhe falaria dos moços.
Alguns minutos depois estavam ambos sentados à mesa. Ela lhe perguntou sobre a viagem e em seguida ele perguntou novamente pelos filhos. A esposa, numa atitude um tanto sem graça, respondeu ao marido:

- Deixemos os filhos. Primeiro quero que me ajude a resolver um problema que considero grave.

O marido, já um pouco preocupado perguntou:

- O que aconteceu? Notei você abatida! Fale e resolveremos isso juntos, com a ajuda de Deus.

- Enquanto você esteve ausente, um amigo nosso visitou-me e deixou duas jóias de valor incalculável, para que as guardasse. São jóias muito preciosas. Jamais vi algo tão belo... Ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las, pois já me afeiçoei a elas. O problema é esse! O que você me diz?

- Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento. Você nunca cultivou vaidades. Por que isso agora?

- É que nunca havia visto jóias assim! São maravilhosas!

- Podem até ser, mas não lhe pertencem. Terá que devolvê-las.

- Mas eu não consigo aceitar a idéia de perdê-las!

E o rabino respondeu com firmeza:

- Ninguém perde o que não possui. – e continuou – Retê-las equivaleria a roubo. Vamos devolvê-las! Eu a ajudarei, faremos isso juntos, hoje mesmo.

- Pois bem meu querido, seja feita a sua vontade. – e disse a mulher que seguiu em seu discurso – O tesouro será devolvido. Na verdade isso já foi feito. As jóias preciosas eram nossos filhos. Deus os confiou a nossa guarda e durante a sua viagem veio buscá-los. Eles se foram...

O rabino compreendeu a mensagem. Abraçou a esposa e juntos derramaram muitas lágrimas.

Porém existe uma diferença entre dor e sofrimento. A dor de certa forma é inevitável, mesmo quando se tem conhecimento perante as leis da vida, porém de forma mais branda. O sofrimento cabe a cada um decidir quanto tempo ficará a sofrer.

Quando essa última frase toma o papel, não lhes digo que é fácil “levantar a cabeça e dar a volta por cima”, mas digo que é preciso de certa forma, até obrigatório, pois se você não agir por vontade própria, chegará um momento de sua vida em que todas as circunstâncias o levarão a levantar e caminhar.

Quando uma pessoa que nos é próxima desencarna, temos a primeira impressão que ela nos deixou. Achamos que Deus, em algum momento, não deveria tê-la levado, que foi injusto e até citamos pessoas de maus atos que ELE deveria levar ao invés do nosso ente querido. Pensamentos assim nos tornam pessoas egoístas, até achamos que temos mais sabedoria e melhores planos que o criador.

Devemos aceitar esses acontecimentos sabendo diferenciar a dor do sofrimento para assim conseguirmos digerir quando chegar a hora de passarmos por esse momento. Não estamos preparados para que um ente querido desencarne, pois em 100% das vezes não dissemos tudo que queríamos a essa pessoa, não passamos o tempo que gostaríamos com ela ou acreditamos que poderíamos ter dado mais beijos e abraços, perdoado, etc.

Então, precisamos sair da inércia, perder a vergonha e fazer tudo isso enquanto ainda há tempo, para depois não pensarmos que a música EPITÀFIO, do Titãs, tem haver com a gente.

Fiquem em paz

Léo Saraiva

7 comentários:

  1. Como sempre suas palavras e analogias são lindas! Mais uma vez me emocionei. Cada dia aprendo mais com seus textos. Você é um presente em minha vida, viu? Presente de Deus! Cheiro.

    ResponderExcluir
  2. Não sabe como me foi util, como eu aprendo, cresço, como me envolvo de forma que chego até a ficar arrepiada, e muitas vezes emocionada.
    Leo, obrigada por me ensinar, por me orientar, obrigada pelos grandes ensinamentos que passaste atravéz desse grande blog.

    ResponderExcluir
  3. Acabo de ler e me emocionar muito.
    Tao perfeito, tao dificil aplicar..sábias palavras!!!!
    FANTASTICO>
    Obrigada querido!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. AMIGO, FICO MUIOT FELIZ, PELA CAMINHADA BRILHANTE QUE RESOLVEU SEGUIR.
    DEUS NOS CONFORTA NOS GUIA E ESSE FAZ O MELHOR PARA NÓS, NA HORA SOFREMOS, FICAMOS CHATEADOS COM ELE, RECLAMOS E ÀS VEZES ATÉ DESCRENTE FICAMOS, MAS NÃO PODEMOS AGIR ASSIM.

    ONDE SE TEM AMOR, SOFRIMENTO NÃO SOBREVIVERÁ.

    ResponderExcluir
  5. Lindo esse texto... me emocionei mt ao ler...

    Sabemos através dos ensinamentos espirituais, que todos nós ao fecharmos nossos olhos para a vida material e nos transferirmos para a vida espiritual,passamos por um período de adaptação. Então, requer daqueles que ficaram, o amparo da prece e de vibrações de amor e de que seus sofrimentos não ultrapassem aquele da saudade, sem extrapolar para a revolta com os desígnios de Deus.

    Devemos ter a certeza que quando nós emitimos paz, força e luz para esses, eles recebem a força dos nossos pensamentos.

    ResponderExcluir
  6. Luiz Henrique Vieira Simões6 de agosto de 2010 00:52

    Adorei a tua mensagem, ela me ajudou a repensar em alguns acontecimentos que se passaram comigo, me tocou muito o texto. Obrigado

    ResponderExcluir